Para ser grande, sê inteiro

Para ser grande, sê inteiro: nada Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda Brilha, porque alta vive.
- Ricardo Reis

3 de janeiro de 2011

Tudo numa só cabeça


As aulas começaram, as aulas voltaram.
Na minha cabeça, nada é o mesmo. Tudo mudou.
Ganhei umas prenditas, e engordei uns quilitos. Novo ano, vida nova? Qual quê. Continuo a ser a mesma, continuo com a mesma vida... Ninguém me acrescentou tempo ao tempo que me resta, só mo tiraram.
Preciso de tempo e tempo, é coisa que não tenho e que neste momento parece inatingível.
Preciso de fita-cola. Pensando bem, é melhor cola super 3. Ao menos assim tenho a certeza que não me desmancho toda.
Preciso de um peluche. Só porque é fofinho e confortável de abraçar. Não pode falar, então eu sou a tagarela.
Preciso de chuva para limpar o ar. Está muito poluído, sabem?
Preciso de ficar recostada num canto, com os braços cruzados em cima dos joelhos, de ficar na escuridão e abrir as portas à inundação que é (i)eminente.

Mas não. Não pode ser. Tenho trabalhos. Tenho uma síntese para fazer, tenho umas perguntas por responder, um artigo que tenho de compor e tenho um trabalho sobre o Mercantilismo por elaborar.

E já agora, Feliz 2011

2 comentários:

MartaCristina disse...

Podes fazer tudo, podes fazer os trabalhos todos e ainda assim, abraçar um peluche antes de fechares os olhos para dormir.

Não vai ser dificil :)

Margarida disse...

Aviso já que concordo: "ganhei umas prenditas, e engordei uns quilitos." - sim é verdade :p Mas tirando isso, não sinto diferença. O ano não é nada, mudança? Onde está ela? Bem, é assim, e daqui para a frente este nojo intenso piorará.

Como dizem os franceses, c'est la vie