Para ser grande, sê inteiro

Para ser grande, sê inteiro: nada Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda Brilha, porque alta vive.
- Ricardo Reis

19 de maio de 2010

De olhos vendados.






(Cheguei lá primeiro que tu Margarida desculpa lá :P)
De olhos vendados estava eu, entre quatro paredes.
Leram-nos um excerto de Shakespeare. Verdadeiramente lindo.
Ouvimos uma musica: Quero-te tanto de Mafalda Veiga.

Por momentos, senti mais do que aquilo que devia.
Apetecia-me chorar.
Fechei os olhos e entreguei-me aos meus sentimentos.
Assustei-me!
O chão pareceu abrir-se e eu cai na escuridão. Os meus sentimentos, senti-os como nunca os tinha sentido.
Os meus amigos que me davam segurança, que me apoiavam, por momentos abandonaram-me. Fiquei sozinha na escuridão.
Que Dor!
Que Horror!
Entrei em pânico, só queria tirar a venda dos olhos e fugir pela aquela porta fora. Para longe daquela sala, para longe daquele edifício. Para longe dos meus sentimentos : Saudade, Amor, Angústia, Raiva, Ódio, Solidão, Tristeza e sobretudo do meu Medo. Um medo parvo e infantil atacou o meu coração. Fiquei mais alerta às coisas à minha volta, o toque, o cheiro e a audição, era tudo o que eu tinha agora. Só me restava isto.
O facto de eu ter ficado mais alerta, não ajudou. O meu medo cresceu, e fui engolida na escuridão. Comecei a ficar sem ar. Não conseguia respirar.
Tinha de sair dali!
Tinha de tirar aquela venda!
Tinha que voltar ao mundo real!
Tinha que parar!
Gritar!
Correr!
Entrar em pânico!
Deixem-me regressar. Não gosto do escuro!
 O escuro consome a minha alma. Afoga-me!
Não quero morrer!


Tirei a venda. (Finalmente!)
A minha respiração estava pesada.
Estava de volta à realidade.
Contei os minutos e os segundos até sair dali.
Voltei a ficar segura. Com os pés assentes na terra.
Mas... a minha paz, a minha tranquilidade, isso tudo é apenas temporário.
Um dia, eu vou ter de enfrentar este medo. E não terei possibilidade de fugir.
Estarei entre a espada e a parede!
Quem me ajudará aí?
A resposta? Ninguém!



5 comentários:

Margarida disse...

CHEGASTE PRIMEIRO DO QUE EU, MÁ!

Margarida disse...

vê o meu último post e faz igual. é uma corrente que anda a passar pelo blog :)
Beijinhos (feia, ma!)

Margarida disse...

NAO PESQUEI (nao costumo pescar, mas hoje em dia ha falta de pescadores)
Olha o texto está... BRUTAL, adorei
Senti o mesmo, senti que alguém me estava a puxar a camisola, senti me pesada, senti as palavras na minha respiração e no meu sangue.
Raios do Shakespeare!

brokenemo minimoy disse...

hmmm

pelo que vi...
snifa-me que tens medo do escuro!!! hahahahah XD

raios pro Shakespeare por ser assim pah
o homem há-de por o seu esqueleto a dar voltas no tumulo ou no caixao ou no raio que o parte por te ter feito isso fonix
XD

Margarida disse...

EI METESTE TIAGO BETTENCOURT, O MEU TIAGUINHO... Fizeste bem :p yiruma era mais giro xD